Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis



 INVESTIGAÇÕES SOBRE A IGREJA SUD
I SUD - a que mais cresce?

O MITO MÓRMON: A CRENÇA QUE É A IGREJA QUE MAIS CRESCE NO MUNDO NÃO SE SUSTENTA

 

Fonte: The Salt Lake Tribune 
Tradução: Stephen Adams

A alegação de que o mormonismo é a crença que cresce mais rápido no mundo tem sido repetida por sociólogos, antropólogos, jornalistas e SUDs orgulhosos como um fato percebido e inatacável. O problema é que isto não é verdade.

Hoje, a Igreja SUD têm mais de 12 milhões de membros em seu rol, mais que o dobro de seu número no quarto de século. Mas desde 1990, outras crenças - Adventistas do Sétimo-Dia, Assembléias de Deus e pentecostais - cresceram muito mais rápido e em mais lugares ao redor do globo.

E o mais importante: o número de SUDs que são considerados devotos ativos é só um terço do total, ou 4 milhões nos bancos todos os domingos, dizem os investigadores.

Para uma igreja com um grande corpo dedicado de missionários dedicados buscando constantemente espalhar sua palavra, o número de conversos nos anos recentes conta uma história inesperada.

De acordo com estatísticas publicadas pela igreja SUD, o número anual de convertidos SUD abaixou de 321.385 em 1996 para 241.239 em 2004. Nos anos noventa, a taxa de crescimento da igreja foi de 5% por ano para 3%.

Por comparação, a igreja Adventista do Sétimo Dia informa que foram adicionados mais de 900.000 adultos convertidos a cada ano desde 2000 (um crescimento médio de cerca de 5%), dando um total de 14.3 milhões de membros. As Assembléias de Deus alegam ter mais de 50 milhões de membros no mundo e adicionam 10.000 novos membros diariamente.

A Rússia fornece um dramático exemplo de diferentes taxas de crescimento religiosas. Lá, depois de mais de 15 anos de proselitismo, os membros SUD subiram para 17.000. Durante o mesmo período, as Testemunhas de Jeová aumentaram mais de 140.000, com uns 300.000 indivíduos assistindo as conferências.

Gráfico de atividades. 



Quando o Centro Diplomado da Universidade da Cidade de Nova Iorque realizou uma Pesquisa de Identificação Religiosa americana em 2001, descobriu que o mesmo número das pessoas que disseram ter entrado à Igreja de SUD depois a tinham deixado. A pesquisa informou que o crescimento mundial da igreja era de 0%. Por comparação, o estudo mostrou que as Testemunhas de Jeová e os Adventistas do Sétimo-Dia tiveram um aumento de 11%. 


"Como as estatísticas de membros são preparadas e informadas diferentemente por vários grupos religiosos, a Igreja SUD não publica comparações do total de membros com outras crenças", disse o porta-voz SUD, Dale Bills, na sexta-feira.

Sobre a questão de quantos mórmons são participantes ativos, o demógrafo Tim Heaton, da Universidade Brigham Young, notou na Enciclopédia do Mormonismo que a freqüência a reuniões sacramentais semanais nos anos 90 foi entre 40 e 50% por cento no Canadá, no Pacífico Sul e nos Estados Unidos. Na Europa e África, a média era de 35%. A freqüência na Ásia e América Latina pairou em torno dos 25%.

Multiplicando o número de membros em cada área por estas frações, David G. Stewart Jr. estima que a atividade mundial é de aproximadamente 35% - o que daria a igreja aproximadamente 4 milhões de membros ativos. 



Stewart, um mórmon ativo que serviu em uma missão na Rússia nos anos 90, tem realizado pesquisa em obras missionárias SUD em 20 países durante 13 anos, examinando censos e dados publicados. Tome o Brasil como exemplo. Em seu censo de 2000, 199.645 residentes se identificaram como SUD, enquanto a igreja listou 743.182 em seu rol.


"Pode haver inúmeras razões para esta discrepância", disse Bill e "incluindo preferências pessoais de alguns cidadãos relativo a revelação de sua afiliação religiosa".

Retendo membros.  



Stewart diz que os mórmons precisam ter conhecimento de tais estatísticas para serem missionários mais eficazes. Para este fim, ele está publicando sua pesquisa, junto com uma descrição do que ele chama "princípios testados para melhorar o crescimento e retenção" em um livro chamado "A Lei da Colheita: princípios práticos do trabalho missionário eficaz". 


"É uma questão de séria preocupação que as áreas com aumento rápido de membros, como a América Latina e as Filipinas, também são as áreas com a maior baixa retenção de convertidos", diz Stewart, um médico da Califórnia.


"Muitos outros grupos, inclusive os Adventistas e as Testemunhas de Jeová, alcançaram excelentes taxas de retenção de conversos nessas culturas e sociedades. Os SUD perdem 70 a 80% dos conversos, enquanto os Adventistas retém 70 a 80% dos seus".

Talvez a melhor medida do crescimento SUD é a taxa de unidades de novas igreja, como alas (congregações) e estacas (como uma diocese). Como eles são dirigidas por voluntários, tais unidades não podem funcionar sem membros bastante ativos.
 

 Em 1980, The Ensign, uma revista da Igreja SUD, predisse que a mesma cresceria de 4.6 milhões de membros naquele momento para 11.1 milhões em 2000, e de 1.190 estacas para 3.600 em 2000. Enquanto o número de membros veio muito perto do valor projetado, só houve 2.602 estacas mundiais ao fim de 2002.


"Você pode usar estas tendências para dizer que a porcentagem está diminuindo, que os números abaixaram ou eles estão caindo. Eles nos contam o que está acontecendo agora mesmo", diz Heaton. "Mas para nós, tentar falar sobre o futuro é arriscado. E se de repente a China ou a Índia nos aceitarem e o trabalho [missionário] aumentar"?

Predizendo o futuro. 



Em 1984, o sociólogo Rodney Stark, da Universidade de Washington, ficou surpreso ao descobrir que a taxa de crescimento da Igreja SUD de 1940 a 1980 foi de 53%. Ele calculou que se continuasse crescendo a uns modestos 30%, haveria 60 milhões de mórmons pelo ano 2080; se 50%, iria a 265 milhões.
 

Ele predisseram que a Igreja SUD "alcançará uma quantidade de membros mundial comparável ao Islã, budismo, cristianismo, hinduísmo e as outras crenças dominantes".


Os SUD estão para se tornar "a primeira crença principal a aparecer na terra desde que o Profeta Maomé passou pelo deserto", Stark escreveu.
 

Muitas pessoas, especialmente mórmons, acataram as declarações de Stark. Entretanto, nos recentes anos, alguns estudiosos desafiaram suas suposições.
 

Em primeiro lugar, o budismo da verdadeira Terra, o Sokka Gakkai, Baha'i e o sufismo são todos de tamanho comparável ou maior e surgiram desde o Islã no séc. VII, disse Gerald McDermott (professor de estudos religioso da Faculdade de Roanoke, na Virgínia, que deu uma palestra em um simpósio na Biblioteca do Congresso sobre mormonismo em abril).
 

Uma chave para o mormonismo se tornar uma religião mundial, diz McDermott, é descobrir como transcender sua cultura (americana) para se tornar universal. Por exemplo, o catolicismo começou em Jerusalém mas encontrou lar em muitos outros lugares onde foi facilmente assimilado em culturas locais.
 

A mensagem SUD encontrou um público pronto na América Latina e no Pacífico Sul, onde os missionários mórmons podem falar para as pessoas que Deus não as esqueceu. 

Mesmo assim, a igreja não se deu tão bem como outras religiões cristãs na África e China, já que não há esta certeza para eles, ele diz.

Religião americana.  



O mormonismo é "totalmente americano", diz McDermott, em uma recente entrevista por telefone. 


"Deus visitou Joseph Smith [o fundador mórmon] no estado de Nova Iorque. O Éden começou no Missouri e o milênio terminará lá. O novo êxodo aconteceu na América do Norte".


Nenhuma destas críticas aborrece Stark, que agora ensina na Universidade de Baylor em Waco, Texas. Ele se diverte com as reações.
 

Era um jogo de "vamos imaginar", diz Stark, quando ele aplicou a fórmula de juros acumulados e viu grande números de mórmons. Porém, suas projeções não eram para ditar o futuro do mormonismo.

Stark, cujo trabalho será republicado este outono em um novo volume, The Rise of a New World Faith: Rodney Stark on Mormonism, não vê nenhuma razão para se desculpar por suas alegações.

Criar um Site Grátis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net