INVESTIGAÇÕES SOBRE A IGREJA SUD
I SUD - mentir por Deus - 1

"O direito de mentir a serviço de seus próprios interesses é muito valorizado e muitas vezes exercido"  
Nero Wolfe


<!-- /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:roman; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1107304683 0 0 159 0;} @font-face {font-family:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1073750139 0 0 159 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin-top:0in; margin-right:0in; margin-bottom:10.0pt; margin-left:0in; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-bidi-font-family:"Times New Roman";} a:link, span.MsoHyperlink {mso-style-priority:99; color:blue; mso-themecolor:hyperlink; text-decoration:underline; text-underline:single;} a:visited, span.MsoHyperlinkFollowed {mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; color:purple; mso-themecolor:followedhyperlink; text-decoration:underline; text-underline:single;} span.longtext {mso-style-name:long_text; mso-style-unhide:no;} span.mediumtext {mso-style-name:medium_text; mso-style-unhide:no;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; font-size:10.0pt; mso-ansi-font-size:10.0pt; mso-bidi-font-size:10.0pt; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-hansi-font-family:Calibri;} @page Section1 {size:8.5in 11.0in; margin:70.85pt 85.05pt 70.85pt 85.05pt; mso-header-margin:.5in; mso-footer-margin:.5in; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} -->
1 – MENTINDO EM NOME DE DEUS

Líderes da Igreja instruindo os responsáveis pelo Sistema Educacional, ao dizerem que não devem ensinar aos alunos SUD toda a verdade sobre a história Mórmon. Vejamos alguns exemplos:

A – Boyd K. Packer




O apóstolo Boyd K. Packer declarou que os estudiosos e historiadores mórmons correm perigo de condenação se optarem por revelar toda a verdade sobre a igreja mórmon:

"A história da igreja pode ser tão interessante e tão inspiradora como uma ferramenta poderosa para construir a verdadeira fé. Se não for devidamente escrita ou ensinada, pode ser uma destruidora da fé ...

Há uma tentação para o escritor ou professor da história da Igreja querer dizer tudo, sendo a história promotora da a fé ou não. Algumas verdades não são muito úteis ...

Um escritor ou o professor que é exageradamente fiel à teoria de que tudo deve ser dito, baseia-se em seu próprio julgamento ... O Senhor deixou claro que algumas coisas ainda serão ensinadas de forma seletiva e algumas coisas serão mostradas apenas àqueles que são dignos ...

Esse historiador ou estudioso que se compraz em apontar as deficiências e fragilidades dos líderes do passado ou do presente destróem a fé. Um destruidor de fé - especialmente um dentro da Igreja, e mais particularmente aquele que ali está para edificar a fé - coloca-se em perigo espiritual. Ele está servindo o mestre errado, e a não ser que ele se arrependa, não estará entre os fiéis na eternidade

... Não espalhe os germes da doença! "(Boyd K. Packer, "The Mantle is Far, Far Greater Than the Intellect",1981, BYU Studies, Vol. 21, No. 3, pp. 259-271)

Esta censura pura e simples da verdade tem sido um motivo de consternação para os historiadores, estudiosos e cientistas SUDs, que possuem uma visão considerada "não muito útil" pelos líderes da igreja.


Por exemplo, D. Michael Quinn expressou sua frustração em uma carta para uma estudante da história da associação, da Universidade Brigham Young:


"As Autoridades Gerais, nos últimos anos, têm criticado os historiadores mórmons por publicarem parte ou todos os livros da Igreja fora de circulação, como o Livro de Mórmon de 1830, o Journal of Discourses (editado e publicado por trinta e dois anos, sob a supervisão da Primeira Presidência), e declarações das revistas da igreja para as crianças, jovens e membros em geral. É uma situação estranha quando as Autoridades Gerais atuais criticam os historiadores por reimprimirem o que as Autoridades Gerais anteriores consideravam não apenas como promotores da fé, mas como apropriado para a juventude mórmon e para os novos conversos.


"O élder Packer adverte especificamente contra historiadores que usam "o indigno, o repulsivo ou o sensacional" do passado mórmon, apenas porque foi publicado anteriormente em outro lugar, e ele repreende os historiadores por sua "exagerada lealdade à teoria de que tudo deve ser contado". Mas isto levanta a questão da honestidade pessoal e integridade profissional. Se um historiador escreve sobre qualquer assunto não relacionado com a religião, e ele propositadamente não faz referência às informações relevantes de que tenha conhecimento, ele justificadamente pode ser criticado por desonestidade ...


Boyd K. Packer exige que os historiadores mórmons demonstrem e afirmem que "a mão do Senhor [tem estado] em cada hora e cada momento da Igreja desde o seu início até agora. "... Os historiadores mórmons podem compartilhar as convicções dos profetas nefitas e de Boyd K. Packer que a "mão do Senhor" opera em toda a história e que "Seus propósitos não falham", mas eles também têm a obrigação de examinar as provas, refletir sobre elas e oferecer as melhores interpretações que podem para o que ocorreu na história da Igreja ...


"A trágica realidade é que houve ocasiões em que os líderes da Igreja, professores e escritores não disseram a verdade que eles sabiam sobre as dificuldades do passado mórmon, mas ao invés disso, ofereceram aos santos uma mistura de banalidades, meias-verdades, omissões e negações plausíveis. (D. Michael Quinn, On Being A Mormon Historian, 1982, pp. 2, 8-10, 13-14, 16-22; revisto e reeditado em 1992 em Faithful History: Essays On Writing Mormon History, pp. 69-111)


O discurso de Quinn foi posteriormente elogiado pela revista Newsweek como uma " defesa agitada da integridade intelectual". No entanto, a igreja não aceitou muito bem a sua posição, principalmente porque ele continuou a publicar os resultados históricos precisos mas não lisonjeiros para a história da igreja.  


Quinn foi excomungado da Igreja em 1993 por suas opiniões.


B – Dallin H. Oaks



"Meu dever como um membro do Conselho dos Doze é a de proteger o que é fundamental sobre a igreja mórmon, ou seja, a autoridade do sacerdócio, o testemunho sobre a restauração do evangelho e da missão divina do Salvador. Tudo pode ser sacrificado a fim de manter a integridade dos fatos. Assim, se a Mormon Enigma revela informações que são prejudiciais à reputação de Joseph Smith, então é necessário tentar limitar a sua influência e a de seus autores". 
(Inside the Mind of Joseph Smith: Psychobiography and the Book of Mormon, Introduction p. xliii f28)

Dallin Oaks explicou que uma coisa é criticar o chefe de um grupo governamental, mas "é muito diferente criticar ou depreciar o desempenho de uma pessoa, para um cargo que ela foi chamada de Deus. Não importa se a crítica seja verdadeira. "
(Dallin H. Oaks, "Reading Church History," CES Doctrine and Covenants Symposium, Brigham Young University, 16 Aug. 1985, page 25. also see Dallin H. Oaks, "Elder Decries Criticism of LDS Leaders," quoted in The Salt Lake Tribune, Sunday August 18, 1985, p. 2B) .

Sobre o mesmo assunto, Oaks escreveu na revista oficial da igreja:

"Um princípio diferente aplica-se à nossa Igreja, onde a seleção de líderes é baseada na revelação, sujeitos ao voto de apoio da comunidade. Em nosso sistema de governo da Igreja, falar mal e criticar os líderes sempre é negativo. Se a crítica é verdadeira ou não, como o Élder George F. Richards explicou, o crítico tende a prejudicar a influência dos líderes e assim, trabalhar contra o Senhor e sua causa. "
(Apostle Dallin H. Oaks, "Criticism," Ensign, Feb. 1987, page 68)

C – Ezra Taft Benson


Em 1976, o Élder Ezra Taft Benson definiu a verdadeira precisão histórica como "calúnia e difamação". Ele advertiu os funcionários do Sistema Educacional da Igreja (SEI) e historiadores SUD sobre a tentativa de "humanizar excessivamente os profetas de Deus".

Ainda, exigiu dos funcionários do SEI:
"Se você acha que deve escrever para os jornais acadêmicos, você deve sempre defender a fé."

Os mesmos trabalhadores foram orientados a não comprar revistas e livros e revistas de "apóstatas conhecidos ou de outras fontes liberais".

Finalmente, ele determinou que estes mesmos funcionários devem manter esses materiais longe das suas prateleiras. (Lavina Fielding Anderson, "The LDS Intellectual Community and Church Leadership: A Contemporary Chronology." Vol. 26 No. 1 Spring 1993, Dialogue: A Journal of Mormon Thought, 11)

D – VÁRIOS

A prática de fraude era freqüentemente discutida nos conselhos de liderança da igreja, e líderes eram aconselhados a não anotar as reuniões em seus diários pessoais. O presidente Joseph F. Smith tinha medo que alguém pudesse ler os diários de George Q. Cannon e Abraham H. Cannon e usar as informações contra a igreja. Até hoje, a igreja se recusa a permitir que investigadores examinem integralmente o diário de George Q. Cannon, indicando que os líderes da Igreja se envolveram  sistematicamente em fraudes da instituição. (Solemn Covenant, p. 372)

O apóstolo Russell M. Nelson (foto ao lado) disse:


"De fato, em alguns casos, a companheira misericordiosa da verdade é o silêncio. É melhor deixar algumas verdades não ditas ... Qualquer um que se sinta tentado a remexer nos Anais da história, para usar a verdade injustamente, ou para cavar "fatos" com a intenção de difamar ou destruir, deve dar ouvidos a este aviso da Escritura”

Ele, então,  cita Romanos 1: 17-18 - uma ameaça para os ímpios: tomem cuidado com a ira de Deus. (Russell M. Nelson, "Truth-and More," Ensign, Jan. 1986, page 69)

Boyd Kirkland contou sua experiência com a decepção sobre a doutrina do Deus-Adão, quando Spencer W. Kimball era o presidente da igreja. Depois de descobrir que os líderes da igreja estavam deliberadamente enganando os membros da igreja, ele perguntou:

"Não há preocupação de que alguns possam desanimar e se desiludirem pela falta de sinceridade dos líderes da igreja?.... Eles disseram, essencialmente: "Se algumas pessoas perderem seus testemunhos sobre a igreja, que assim seja, é melhor do que deixar que a verdade seja conhecida e lidar com as consequências negativas para a missão da Igreja".

(Boyd Kirkland, Building the Kingdom with Total Honesty. Seus achados foram de Dialogue: A Journal of Mormon Thought Volume 31, Number 3, Fall 1998 "Letters to the Editor." Veja AQUI)


O ex-professor da BYU David Knowlton (foto, à esquerda), em uma entrevista à televisão em 16 de agosto de 1992, (KXVS, Canal 4), em Salt Lake, disse:

"Tenho vergonha, francamente, de uma igreja que não quer dizer a verdade. Estou envergonhado da mentira institucionalizada".

Seus comentários relacionam-se à recusa da igreja em admitir a existência de uma comissão dentro da igreja que mantém arquivos sobre as atividades de seus membros. O grupo envia os arquivos para os líderes locais da igreja, com instruções para interrogá-los sobre o seu compromisso com a igreja. A comissão está atualmente ativa (Anderson, Vol. 26 No. 1 Spring 1993, Dialogue, 46-47).


Apesar da garantia dos élderes James E. Faust (foto ao lado) e Russell M. Nelson de que os arquivos dos membros da igreja não são secretos, as solicitações de vários membros de ver seus próprios arquivos foram negadas. Este é um exemplo de dissimulação das Autoridades Gerais mórmons.(Anderson, Vol. 26 No. 1 Spring 1993, Dialogue, 50)

A mensagem de líderes atuais é clara: finja que os líderes SUD são infalíveis, obedeça e respeite.  

Para o acesso a essas e outras declarações em inglês, veja http://i4m.com/think/leaders/mormon_loyalty.htm)

Agora note a grande contradição:

"Suponho que a maioria dos mortais usem algum exagero. Mas isso significa que nós toleramos deturpações deliberadas e importantes dos fatos quando, acima de tudo, devem ser críveis e confiáveis? Nunca! Mentir é pecado, como sempre foi, e não há nenhum isento ao "mentir para o Senhor". Mentir está simplesmente fora da conduta permitida ou tolerada pelo Santos dos Últimos Dias - membros ou dirigentes. "

(Dallin H. Oaks, Gospel Teachings About Lying, address to faculty, students, and alumni of BYU on September 12, 1993).


2 - MENTINDO AO PÚBLICO

A – BATISMO PELOS MORTOS

A igreja mórmon continua enganado o público sobre o batismo vicário realizado em nome de Adolf Hitler e Eva Braun. 

Os documentos abaixo mostram que Sr. Adolf Hitler foi "batizado" e "investido (Endowment)" pelos Mórmons em 10 de dezembro de 1993. 




Certificado de Hitler de batismo, endowment e selamento aos pais 



Eva Anna Paula Braun, nascida em Munique, Alemanha, em 7 de fevereiro de 1912, foi "batizada" pelos mórmons, 16 de outubro de 1964 e "investida" em 5 de fevereiro de 1965, no Templo de Los Angeles. Ela foi "selada" aos pais antes de 1970. 

Ela foi casada e selada à Hitler, de acordo com as ordenanças mórmons, em 14 de junho de 1994 (figura abaixo)
 

Casamento e selamento de Hitler e Eva Braun 


(veja maiores detalhes em inglês AQUI)


B - COMO O HOMEM É, DEUS JÁ FOI UM DIA

Os líderes da igreja mórmon mudaram seu ponto de vista sobre a doutrina de que Deus já foi um homem



O Presidente Gordon B. Hinckley deliberadamente negou a questão ao discutir o assunto com a imprensa. 

Em uma entrevista para a Time em agosto de 1997, ele disse:

"P:  Uma outra questão que surge relacionada às declarações do Profeta [Joseph Smith] no discurso King Follett.

Hinckley: Sim

P: ... sobre isso, Deus Pai já foi homem como nós somos. Isto é algo que os escritores cristãos estão sempre apontando. É este o ensinamento da Igreja, hoje, que Deus o Pai já foi um homem como nós somos ?

Hinckley: Eu não sei se nós ensinamos isso. Eu não sei se nós enfatizamos isso. Eu não ouço isso ser discutido há muito tempo em um discurso público. Eu não sei. Eu não sei todas as circunstâncias em que essa declaração foi feita. Entendo o fundo filosófico por trás dele. Mas eu não sei muito sobre isso e eu não sei se os outros sabem muito sobre isso." 
 (Time Magazine, 4 de agosto de 1997)
  
A verdade:


Joseph Smith ("King Follett Discourse," Journal of Discourses 6:3-4, também em Teachings of the Prophet Joseph Smith, 342-345):
 

"O próprio Deus já foi como nós somos hoje, e é um Homem exaltado, e está entronizado nos céus. Esse é o grande segredo... é o primeiro princípio do Evangelho saber com certeza o caráter de Deus e saber ...que ele já foi um homem como nós....Eis, então, é vida eterna - conhecer o único sábio e verdadeiro Deus; e ter que aprender como serdes deuses por si mesmos...iguais a todos os deuses antes de vós..." [grifo nosso] 


Brigham Young, sucessor de Joseph Smith (Journal of Discourses 7:333):
 

"Ele [Deus] é nosso Pai - o Pai de nossos espíritos, e já foi um homem mortal como nós somos, e é agora um ser exaltado". [ênfase somou] 


Bruce R. McConkie, apóstolo e teólogo mórmon (Doutrina Mórmon, 1966 ed p 250): 



"...Deus ...é um Ser pessoal, um homem santo e exaltado..." 


Joseph Fielding Smith, apóstolo e teólogo mórmon, depois presidente da igreja (Doutrinas da Salvação 1:10): 



" Deus é um homem exaltado. Algumas pessoas tem dificuldade em entender as declarações do Profeta Joseph Smith... que nosso Pai no céu já viveu como nós, morreu e é agora um homem exaltado..."



A declaração de que "Deus um dia já foi homem" é repetida várias vezes pelos líderes da igreja, assim como nas aulas e discursos que os SUDs ouvem aos domingos (veja mais detalhes em Deus, Pai carnal de Cristo e Doutrina dos homens).  



3 - Mentindo sobre o Sacerdócio e os negros


4 - Mentindo sobre a poligamia no Larry King 


A Mentira: 
 

Numa entrevista com Larry King, Hinckley disse o seguinte sobre a antiga prática de poligamia: 
 

HINCKLEY: Quando nosso povo foi ao oeste eles a permitiram [poligamia], mas de uma forma controlada.


A Verdade: 
 

Os mórmons "foram ao oeste" em 1847, depois de abandonar sua sede em Nauvoo, Illinois. Por'em, a poligamia tinha sido secretamente praticada por Joseph Smith desde 1833, quando ele "se casou" com sua primeira "esposa plural", Fanny Alger. Alger é listada por fontes oficiais mórmons como a primeira esposa plural de Joseph Smith. 
 


De fato, foi a excessiva prática de poligamia que, apesar de ser praticada em segredo, levou alguns proeminentes mórmons a Nauvoo, que acreditaram que tal prática era falsa. Estes publicaram, em 1844, um jornal (Nauvoo Expositor) expondo e denunciando a poligamia. 

A destruição ilegal que Smith fez na gráfica do jornal levou diretamente ao estado de guerra civil entre os mórmon e os não-mórmons, a prisão e morte de Smith, e o êxodo para Utah. 

Assim, a afirmação de Hinckley, que a poligamia não foi praticada até a chegada mórmon em Utah é falsa. 


Mentira oficial da igreja

O "verdadeiro" folheto publicado pela Igreja SUD:

Esta é uma citação do folheto "A Verdade Sobre a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias", publicada pelo Departamento de Relações Públicas da igreja em Salt Lake City. Este folheto muito é distribuído aos não-mórmons como uma primeira introdução para o mormonismo:

"Durante os primeiros anos em Utah, alguns membros da Igreja praticaram poligamia, praticada segundo a prática do Antigo Testamento, que eles consideraram ser um princípio religioso revelado por Deus ao fundador da Igreja, Joseph Smith. Em 1890, o presidente da Igreja, Wilford Woodruff, anunciou o fim da prática da poligamia na igreja. Hoje não há nenhum membro praticante da poligamia na igreja".

Esta é a lista de mentiras ou meias-verdades que deixam o leitor ignorante com uma falsa impressão:

A Mentira: 
" ...em Utah..."

A Verdade: 
 

A poligamia começou em 1835 em Kirtland, com Joseph Smith e Fanny Alger (sua primeira esposa polígama, segundo a lista compilada pelo historiador da igreja Andrew Jenson em 1887) e se tornou difundida entre os íntimos de Joseph em Nauvoo por 1844, antes da migração para Utah (1846).

A Mentira: 
 

"...alguns membros..."

A Verdade: 
 

Os polígamos no princípio não eram os "membros", mas eram a liderança da igreja e SÓ a liderança da igreja (até 1852 a prática foi mantida em segredo dos membros da igreja).
 

E não eram só "alguns" - quase todos os líderes da igreja o praticaram e depois de 1852 Brigham Young tentou conseguir que "todos" os membros praticassem, pregando que um monogâmico não seria exaltado ao céu como um polígamo. Quase todos os líderes da igreja antes de 1890 eram polígamos.

A Mentira: 
 

"...praticada segundo a prática do Antigo Testamento..."

A Verdade: 
 

No Antigo Testamento, a poligamia não era uma violação do direito civil, como foi em Ohio e Illinois; o Antigo Testamento não permitia que um homem se casasse com uma mulher cujo marido ainda estava vivo, como Joseph Smith fez; nem permitia que um homem se casasse com as irmãs, ou uma filha e mãe, como o Joseph Smith fez (veja AQUI). Esta frase é só uma fraca tentativa de fazer a poligamia dos mórmons parecer bíblica.

A Mentira: 
 

"...que eles consideraram..."

A Verdade: 
 

Eles foram informados e ordenados que isto era um princípio religioso. Esta frase dá a falsa idéia que os praticantes de poligamia estavam errados em pensar que era uma revelação de Joseph Smith e que a poligamia era uma idéia que os próprios membros tiveram. Por que não diz que "ERA" um princípio religioso revelado ao profeta Joseph Smith? (veja AQUI).

A Mentira (verdade incompleta) 
 

"...revelado por Deus ao fundador da igreja..."

A Verdade: 
 

E ainda nas escrituras da igreja a Doutrina e Convênios 132...

A Mentira (verdade incompleta): 
 

"Wilford Woodruff anunciou o fim..."

A Verdade: 
 

Embora a pessoa que lê isso pense que Woodruff (então presidente da igreja) era um inimigo da poligamia, ele não era: ele tinha sido casado com onze mulheres, e estava com a maior relutância em acabar com a prática. 

Foi apenas por causa da intensa pressão da opinião pública nos Estados Unidos contra esta "segunda relíquia de barbarismo na América" (a outra - escravidão - tinha acabado pouco antes) e da legislacão em vigor que ele anunciou que a igreja não a praticaria (conhecido como O MANIFESTO).

Mas isto não terminou com a poligamia. Matrimônios polígamos foram executados secretamente por líderes da igreja durante uma década, pelo menos até 1906 ou 1907.
 

5 - Mentindo sobre outras igrejas


A Mentira: 
 

Na mesma entrevista com Larry King, Hinckley disse :
 

HINCKLEY: Eu digo isto para as outras pessoas: faça todo o bem que você puder. Nós não temos nenhuma hostilidade com qualquer outra igreja. Nós não nos opomos às outras igrejas. Nós nunca falamos mal das outras igrejas. [grifo noso] 


A Verdade: 
 

Joseph Smith foi o primeiro mórmon a atacar outras religiões. Em sua autobiografia (agora parte das escrituras mórmon, a Pérola de Grande Preço) ele diz:


"Perguntei aos Personagens [Deus Pai e Deus Filho] que estavam na luz acima de mim, qual de todas as seitas era a certa (pois neste momento nunca havia pensado em meu coração que todas eram falsas) e a qual deveria me unir. Me responderam que eu não deveria me juntar a nenhuma, porque todas elas estavam erradas; e o Personagem que me respondeu disse que todos seus credos eram uma abominação à sua vista; que esses professores eram todos corruptos..." (Joseph Smith - História 1:18-19, grifo nosso) 

 
Veja mais detalhes sobre o que pensam das religiões cristãs AQUI.


6 - Mentindo sobre o livro de Abraão


Joseph Smith comprou algumas múmias e, com elas, encontrou alguns papiros. Ele traduziu-os dizendo que haviam sido escritos pelos próprios punhos de Abraão.


Atualmente, é conhecido que a tradução foi uma farsa, assim como os desenhos desses papiros - conhecidos como Facsímile 1, 2 e 3 - foram "completados".




Aqui, discutiremos brevemente dois destes Facsímiles. 


No Facsimile 1 (figuras acima), alguém (supostamente Joseph Smith) desenhou a cabeça de um sacerdote humano e uma adaga em sua mão, apoiando a interpretação de que o desenho representava uma tentativa de sacrifício de Abraão.






O Facsímile 2 também se encontrava incompleto (figura ao lado).


Na tentativa de "completá-lo", alguém (também supõe-se que tenha sido Joseph Smith) adicionou várias figuras incorretas (a cabeça da figura central, a pomba de cabeça para baixo, o barco).  


Também foram copiados, a partir de três pontos aleatórios, os escritos de Small Sensen, e assim algumas partes ausentes do círculo exterior foram preenchidas (veja figura abaixo).



As "versões" preenchidas dos Facsimiles encontram-se em Pérola de Grande Valor, um dos livros sagrados do mormonismo.


Mesmo diante das evidências de todas essas modificações, as autoridades nunca admitiram que elas não faziam parte do papiro original. 

Criar um Site Grátis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net