INVESTIGAÇÕES SOBRE A IGREJA SUD
JS 8 - violência

A VIOLÊNCIA DE JOSEPH SMITH


Enquanto muitos aceitam como verdade única apenas o que a igreja SUD decide publicar, muitos pesquisadores, com acesso à documentos exclusivos, tem descoberto facetas interessantes da história e dos personagens envolvidos.


Um deles, e sem dúvida, o mais contundente, é Joseph Smith. Atualmente, pode-se afirmar que o profeta Mórmon era claramente propenso à violência.


Enquanto o escritor mórmon John J. Stewart afirmou que Joseph Smith foi "talvez o mais homem mais cristão que viveu na Terra desde o próprio Jesus",  esta conclusão não é apoiada pela História de Joseph Smith:


"Eu não sou tão 'cristão' como muitos supõem que eu seja. Quando um homem tenta me subjugar como se eu fosse um cavalo, sinto-me disposto a chutá-lo e jogá-lo ao chão, e subjugá-lo." (History of the Church, vol. 5, página 335)


Ao contrário do homem gentil e suave retratado no filme mórmon Legacy, Joseph Smith foi, sem dúvida, um profeta lutador. Ele não só gostava de lutar e provar a sua força, mas às vezes ele chutava e feria sériamente as pessoas.


O historiador D. Michael Quinn observou que Smith foi um presidente da Igreja "que agrediu fisicamente os mórmons e não-mórmons para insultá-los ..." (The Mormon Hierarchy: Origins of Power, 1994, pages 261-262)


Jedediah M. Grant, um membro da Primeira Presidência de Brigham Young, falou sobre


"o pastor Batista, que veio ver Joseph Smith .... ficou diante dele, cruzou os braços e disse: 'É possível que agora eu dê meu ponto de vista  sobre um homem que tem conversado com meu Salvador?’ 'Sim', disse o profeta: ‘Eu não sei, mas você sabe. Gostaria de lutar comigo?’ 

 Isso, veja, fez com que o sacerdote fosse esmagado e caisse com uma cambalhota. Depois de rodopiar algumas vezes, como um pato com um tiro na cabeça, ele concluiu que a sua santidade tinha sido terrivelmente agredida. .. " (Journal of Discourses, vol. 3, pp. 66-67)


Um amigo próximo de Joseph Smith, Benjamin F. Johnson, fez esta observação após a morte de Smith:


"E, no entanto, apesar de muito social e até mesmo com a convivência às vezes, ele não permitia nenhuma arrogância ou liberdades indevidas. Críticas, até mesmo de seus associados, raramente eram aceitas. Contradições podiam, de repente, despertar um leão nele. Ele não era suplantado por nenhum de seus companheiros.... 

um ou outro de seus companheiros tinham, mais de uma vez, por seu atrevimento, tirando-os da congregação com seus chutes .... Ele goleou fortemente seu irmão William ... Enquanto estávamos com ele nas situações de fraterndade, sociais e por vezes, de convívio, não podíamos entender plenamente a grandeza e a majestade da sua vocação". (Letter by Benjamin F. Johnson to Elder George S. Gibbs, 1903, as printed in The Testimony of Joseph Smith's Best Friend, pages 4-5).


Max Parkin, um escritor mórmon, referiu-se a um processo judicial contra Joseph Smith, em que Calvin Stoddard, cunhado de Joseph, declarou que:

"Smith então veio e bateu na testa dele com a mão reta - o golpe derrubou-o, e então Smith repetiu o golpe quatro ou cinco vezes, com tanta força – deixou-o cego - que Smith, mais tarde foi a ele e pediu o seu perdão ... " (Conflict at Kirtland, citing from the Painesville Telegraph, June 26, 1835)


Parkin também cita Luke S. Johnson, que serviu como apóstolo no início da Igreja mórmon, dizendo que, quando um ministro insultava Joseph Smith em Kirtland, Ohio, Smith, " 'bateu nos [dois] ouvidos dele [ao mesmo tempo] com ambas as mãos, e olhando para a porta, chutou-o para a rua", por falta de caridade do homem." (Ibid., p. 268)


Na História da Igreja, no ano de 1843, sabe-se de duas lutas que Joseph Smith tivera em Nauvoo:



"Josias Butterfield veio à minha casa e me insultou de forma tão ultrajante que eu o chutei para fora da casa, pelo quintal, até a rua." (History of the Church, vol. 5, página 316)



"Bagby me chamou de mentiroso, e pegou uma pedra para atirar em mim, isso enfureceu-me tanto que eu o segui e bati nele duas ou três vezes. Esquire Daniel H. Wells entrou  entre nós e conseguiu separar-nos .... Eu fui até o vereador Whitney ... ele aplicou uma multa, que eu paguei, e depois voltei para a reunião política". (Ibid., p. 524)



Em 13 de agosto de 1843, Joseph Smith admitiu que ele havia tentado sufocar Walter Bagby: "Eu conheci-o, e ele usou de linguagem abusiva, pegando uma pedra para atirar em mim: eu o agarrei pelo pescoço para sufocá-lo". (Ibid., p. 531)


Depois que ele se tornou presidente da Igreja Mórmon, Brigham Young, comentou:


"Se você tivesse que lidar com o Profeta Joseph, você pensaria que eu sou muito temperado .... Ele não suportaria o que eu tenho suportado e apareceria como se fosse demolir todas as casas na cidade, e arrancar as árvores por suas raízes, se os homens se conduzissem à ele da mesma maneira que eles têm se conduzido à mim." (Journal of Discourses, vol. 8, pp. 317-318)


Além de asfixiar, chutar as pessoas para fora das casas e da igreja, batendo-lhes na testa, nas duas orelhas, as evidências indicam que ele ameaçou a vida de algumas pessoas. Veja The Mormon Hierarchy, páginas 91-92.


Muitos podem arguir sobre estas situações, defendendo o comportamento de Joseph como sendo apenas"uma defesa". Mas perseguir alguém por fazer ameaça, bater em um pregador por não concordar com as mesmas coisas ou chutar pessoas para fora da congregação são atitudes de um homem que foi tocado e inspirado por Deus?

Criar um Site Grátis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net